Galeria

Todas as fotografias, excetuando as do quarto Chiari, são da autoria de Luís Ferreira Alves.

Escadaria monumental

O Palácio desenha-se partindo de uma escadaria monumental, decorada com passadiços e fontes de mármore. As paredes estão pintadas num mural que procura imitar lajes de mármore. No patamar do piso principal o chão marmoreado compõe o desenho de uma rosa-dos-ventos.

Os candeeiros e o lustre foram cedidos pela Câmara Municipal do Porto e provêm do espólio do Rivoli.

A recuperação da escadaria foi possível coma generosidade de indivíduos, instituições, empresas, famílias e grupos que contribuíram, através da campanha Degrau a Degrau, e cujos nomes constam da escadaria.

 

Salão Nobre

Conhecido também como salão de baile, o Salão Nobre foi, durante algum tempo, o epicentro da intensa vida social do Palácio e da cidade. A imagem atual da sala foi concebida por Emilio Biel, que repintou todo o espaço para aí instalar a sua sala de exposições, removendo parte da decoração original.

Hoje, o espaço funciona como espaço de apresentação de espetáculos, palestras, conferências e exposições.

O mecenas do restauro desta sala foi António Oliveira.

Sala D. Maria

A sala de visitas do Palácio do Bolhão tomou o nome da sua mais ilustre hóspede, a Rainha D. Maria II. É uma brilhante síntese das artes decorativas do século XIX, Camilo Castelo Branco chamou-lhe um belo sonho como palácio de fadas. Tem oito pinturas sobre tela representando alegoricamente o Douro e os portos comerciais onde o vinho do Porto era distribuído. O soalho é de mosaico de pau-cetim, pau-preto e mogno, e as paredes estão cobertas de seda em listrões brancos e amarelos, reproduzidas a partir das originais e oferecidas generosamente pela Vicri. O restauro assumiu, no entanto, a manutenção de um dos painéis originais, denotando a passagem do tempo e o seu desgaste.

Os candeeiros provêm do Rivoli e foram amavelmente cedidos pela Câmara Municipal do Porto.

O mecenas desta sala é a Caixa Geral de Depósitos.

 

AUDITÓRIO

 

Capela

Situada no último piso do palácio é, nas palavras de Camilo Castelo Branco, como um trono do Deus. Tem cinco pinturas no teto, representando os anjos no céu e as virtudes teologais.

O mecena do restauro desta sala é a Dualperi, Gabinete Técnico de Peritagens.

Esta sala é hoje a Biblioteca da ACE Escola de Artes.

Sala de Jantar

Ao olharmos para o teto da Sala de Jantar, não podemos deixar de notar as pinturas a óleo dos filhos do conde do Bolhão, António Arnaldo e Júlia, representando a passagem das estações.

 Sala de Fumo

A Sala de Fumo era uma sala de estar reservada apenas a cavalheiros, um lugar central da vida social do Palácio. Destaca-se o seu tecto, de inspiração francesa imitando madeira. Para restaurar esta sala, procedeu-se ao levantamento do repinte de Emilio Biel, que cobria todas as madeiras.

O mecenas desta sala é a Solverde SA.

Esta sala acolhe hoje a secretaria da ACE Escola de Artes.

Quarto Chiari

Este seria o quarto principal da casa. De desenho tipicamente neoclássico, destacam-se os estuques que representam temas amorosos, que se pensam ser da autoria de um discípulo do famoso estucador Luís Chiari.

O mecenas desta sala é a NAIP, Navegação – Agência Internacional Portuguesa Lda.