A Resistível Ascensão de Arturo Ui

Coprodução ACE Teatro do Bolhão, TNSJ

Figura nuclear do universo da criação teatral, Bertolt Brecht propõe inquestionavelmente um território dramatúrgico e de encenação de permanente referencia, renovação e contemporaneidade. A Resistível Ascensão de Arturo Ui, peça que escreveu no contexto da vertebração do nazismo na Alemanha, estrutura-se como uma parábola onde se estabelece um paralelo entre a consolidação da carreira do protagonista no mundo dos gangsters americanos e o percurso do Fuhrer alemão a caminho do poder absoluto, a coberto da retórica e do exercício do discurso enquanto estratégia politica. Arturo Ui expõe a violência, a xenofobia e a intolerância como portas para o mais descarado triunfo da alienação colectiva e dos valores de ordem capitalista. O economicismo reinante e a crescente disponibilidade da comunicação social para a valorização do espírito individualista egocêntrico, tornam este texto inquietantemente contemporâneo.

 

 

Texto BERTOLT BRECHT

Tradução PAULA ALEXANDRA CARVALHO

Encenação KUNIAKI IDA

Interpretação ANTÓNIO CAPELO, JOÃO PAULO COSTA, JOSÉ PINTO, ANTÓNIO JÚLIO, ANDREA MOISÉS, PATRÍCIA LIMA, DANIEL PINTO, NELSON FREITAS, MANUELA PAULO, JOSÉ MIGUEL ROSAS, FLÁVIO HAMILTON, JOÃO PAULO BRITO, BRUNO MARTELO e PAULO MONTEIRO

Cenografia PAULO OLIVEIRA

Figurinos TERESA CASTELO

Música JOSÉ PRATA

Desenho de luz JOSÉ CARLOS GOMES

Coreografia JOANA PROVIDÊNCIA

 

Informações

de 28 de junho a 13 de julho de 2003, no Auditório da ACE, na Praça Coronel Pacheco, n 1

Fotografias de Ana Pereira