Édipo

Depois de A Resistível Ascensão de Arturo Ui, de B. Brecht, D.Juan, de Molière, e Otelo, de Shakespeare, o Teatro do Bolhão regressa a uma das suas linhas nucleares de programação: a revisitação de textos nucleares da dramaturgia universal, desta feita com a  “tragédia perfeita” (segundo a Poética de Aristóteles). Esta encenação de Kuniaki Ida procura recuperar as raízes do teatro grego primitivo, (três atores – António Capelo, João Paulo Costa e João Cardoso – multiplicam-se nos papéis principais – inclusive femininos -, acrescentando um Corifeu – Pedro Lamares –  e a presença de 10 coreutas).

É pela mão de Kuniaki Ida – parceiro fundamental do projecto e responsável por este ciclo de espetáculos – que nos vemos transportados para a tragédia do rei vencido pelas trevas, num cenário que conjuga uma estética marcada pelo primitivismo ritual arcaico, a aridez de uma cidade flagelada pela maldição dos deuses, com elementos tácteis de contemporaneidade – uma Europa em convulsão.

Dando continuidade ao seu projecto nuclear de divulgação dos textos fundamentais da dramaturgia ocidental, a companhia propõe esta nova encenação de Édipo, no desejo que o texto clássico olhe, a partir da sua realidade atemporal, a nossa realidade do momento.

 

 

A partir da tradução de  MARIA DO CÉU ZAMBUJO FIALHO

Encenação KUNIAKI IDA

Versão de ANTÓNIO CAPELO

Com ANTÓNIO CAPELO, JOÃO PAULO COSTA, JOÃO CARDOSO, PEDRO LAMARES, ANDRÉ LOUBET, BEATRIZ FRUTUOSO, CATARINA RIBEIRO SANTOS, ISMAEL CALLIANO, IVO LUZ, JOANA MELO, MIGUEL LEMOS, PEDRO ROQUETTE, RITA LAGARTO e RITA GIGANTE

Cenografia CRISTÓVÃO NETO

Figurinos CRISTINA COSTA

Luz PEDRO VIEIRA DE CARVALHO

Sonoplastia JOSÉ PRATA

 

Informações

Maiores de 12

 

12 de abril a 6 de maio de 2012, na ACE, na Praça Coronel Pacheco, n 1

julho de 2013, no 17º Festival de Drama Grego Antigo, no Chipre

10 de abril de 2014, no Teatro Municipal de Bragança

27 de março a 4 de abril de 2015, no Palácio do Bolhão

Fotografias de Pedro Vieira de Carvalho