Gestos Bravos

Podemos ler, logo na primeira página d’O Homem que Plantava Árvores, de Jean Giono, que para conhecer uma pessoa excecional é preciso observá-la durante muitos anos.  Se observássemos durante décadas o protagonista da história – e outros plantadores no Brasil, na Índia, etc. – veríamos como, com o passar do tempo lento dos anos, vão deixando atrás dos seus passos florestas construídas bolota a bolota, rebento a rebento. Ao olharmos para a paisagem vemos o seu enorme projeto de vida, contruída de pequenos gestos generosos e pacientes, que esperam anos para conhecer o seu maravilhoso resultado.

Ao olhar para o rastro que vamos deixando no nosso dia-a-dia, contruído de pequenos gestos displicentes e descuidados, vemos um mar de plástico, de espécies desaparecidas, de desflorestação e de alterações climáticas.

Precisamos de olhar com urgência para o impacto das nossas ações não só no hoje, mas no ontem e no amanhã da nossa vida.

 

 

Direção Joana Providência
Dramaturgia Raquel S.
Interpretes cocriadores Bruna Costa, Margarida Gonçalves e Rui Paixão
Música e Desenho de Som Ana Bento e Bruno Pinto
Figurinos Cátia Barros
Cenografia e Adereços Cristóvão Neto
Luz Mário Bessa
Ilustrações Carolina Gaessler

Assistência a Cenografia e Adereços Filipe Mendes e Nuno Encarnação
Execução de Figurinos Maria da Glória Costa

Direção Técnica Pedro Vieira de Carvalho
Montagem e Operação de Luz João Brito

Montagem e Operação de Som Ruben Mendes

Produção Executiva Rosa Bessa

Fotografias de Cena Pedro Figueiredo
Registo Vídeo Evoke Collective
Direção de Produção Glória Cheio e Pedro Aparício

Espetáculo Produzido com o apoio do ICNF – Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas

Agradecimentos Engenheiro Carlos Silva e Maria do Céu Ribeiro

Uma coprodução Teatro do Bolhão e Teatro Oficina

 

Informações e Reservas

Duração aproximada: 40′

m/6