Hierarquia

Numa sociedade de cansaço, dois actores experimentam o confronto, mas aquilo que, entre si, conseguem expressar é a nostalgia de uma casa de infância ou a estranheza por uma época em que jovens morriam a gritar “Viva a República”. No ambiente frio de hierarquias escritas em contratos invisíveis, vão se apercebendo da inutilidade do Disfarce, e que nada mais existe a não ser as compensações (ou as descompensações) de um corpo que o excesso ou a carência de produção esvaziou de sentido. Na falência das crenças, visível na hipocrisia que é lida nas notícias sobre falsas guerras e falsas acções solidárias, ou nos fait-divers das “celebridades”, parece restar apenas uma âncora com algum significado: a memória vaga de rostos, braços e vozes de mulheres.

                                                                           Zeferino Mota

 

Texto e Direção ZEFERINO MOTA
Interpretação BERNARDO GAVINA e DANIEL MACEDO PINTO
Figurinos LOLA SOUSA
Desenho de Luz JOSÉ CARLOS GOMES
Sonoplastia JOSÉ MENESES
Música Original ERNESTO COELHO, FILIPE SILVA e JOSÉ MANUEL CERQUEIRA
Pintura LUÍS TROUFA

Informações

Maiores de 16

Duração aproximada: 60′

 

15 a 31 de outubro de 2015, no Salão Nobre do Palácio do Bolhão

Fotografias de Tiago Daniel Oliveira