Mão na Boca

Mão na Boca nasce de um desafio lançado pelo Museu de Arte Contemporânea de Serralves, à coreógrafa e membro da direcção artística da companhia, Joana Providência. Sob um palco coberto de terra, é invocado/evocado o universo ficcional de Paula Rego, uma das mais emblemáticas artistas plásticas da actualidade, numa dimensão não ilustrativa, mas perspectivando o corpo enquanto veículo de uma narrativa preenchida de desejos, medos e tensões. Para Joana Providência a criação de Mão na Boca ”desenvolveu-se num duplo sentido: por um lado, constituíram-se como impulsos geradores do processo as gravuras, os desenhos e as pinturas de Paula Rego e os universos de conto/fábula/romance que são a sua moldura; por outro lado, configuraram-se como motes do trabalho as marcas escondidas, ou menos legíveis, de uma memória: os seus medos, os seus sons, o seu imaginário”.

A articulação de uma trilogia de corpos em fricção com a exploração multidisciplinar do espaço cénico distingue este trabalho coreográfico de grande organicidade.

 

 

Direção JOANA PROVIDÊNCIA

Intérpretes ANABELA SOUSA, ANTÓNIO JÚLIO e VERA SANTOS

Figurinos RUTE MOREDA e SANDRA MARINHO

Iluminação JOSÉ CARLOS GOMES

Sonoplastia LUÍS ALY

Produção PEDRO APARÍCIO E GLÓRIA CHEIO

Design Gráfico BERNARDO PROVIDÊNCIA

 

Informações

Duração aproximada: 60′

Maiores de 12

 

6 e 7 de novembro de 2004, no Auditório de Serralves

11 e 21 de novembro de 2004, no Auditório da ACE, na Praça Coronel Pacheco, n 1

19 e 20 de março de 2011, no Teatro S. Luiz, em Lisboa
25 de outubro de 2009, no Teatro Municipal de Vila do Conde

Fotografias de Hugo Calçada