Quem tem Medo de Virginia Woolf?

Jogos e Brincadeiras são o primeiro mote; Albee começa por colocar-nos na dimensão lúdica: jogar, brincar, representar, são as primeiras acções ritualizadas que respondem à necessidade básica da descoberta/entendimento do real.
Em “Quem tem medo de Virgínia Woolf?” o público é convidado para a sala de estar de George e Martha onde assiste, com uma proximidade perturbante, a um intenso ritual de mortificação mútua e de desagregação progressiva das convenções matrimoniais. “O inferno pode ser uma sala de estar confortável e um casal insatisfeito” disse o autor sobre este texto, aterrador e comovente, onde as personagens vão “descascando”, impiedosamente e até à medula, a múltiplas camadas de mentira e ilusão que envolvem as suas vidas conjugais.

Encenação JOÃO PAULO COSTA
Tradução JORGE BOTELHO FONSECA

Assistência de encenação CLAUDIA LÁZARO

Interpretação ANTÓNIO CAPELO, GLÓRIA FÉRIAS, MÁRIO SANTOS e SANDRA SALOMÉ
Cenografia PAULO OLIVEIRA
Figurinos e adereços ANA TERESA CASTELO
Desenho de Luz JOSÉ NUNO LIMA

Informações

1 a 24 de outubro de 2004, no Auditório da ACE, na Praça Coronel Pacheco, nº 1

18 a 27 de fevereiro de 2005, no Teatro da Trindade, em Lisboa