A Farsa de Inês Pereira

Leitura recomendada para ensino secundário

 

Para dar provas da originalidade do seu trabalho, Gil Vicente propôs-se a criar uma obra a partir de um ditado popular escolhido por aqueles que o acusavam de plágio – “mais quero asno que me leve, que cavalo que me derrube”. E acabou, desta forma, por escrever a sua obra mais complexa ao nível da estrutura dramática e narrativa.

A história da Inês Pereira pode ser a de qualquer uma outra moça casadoira e filha do povo. Apesar de vir, no desfecho da farsa, a revelar-se um exemplo dos maus costumes que Vicente satiriza, nunca deixa, ao longo de toda a narrativa, de ser um exemplo da rebeldia jovem, numa voz feminina que destaca a sua força num tempo de silêncios conformados.

Mas em toda esta farsa, o teatro transborda da literatura, nas personagens bem recortadas, nas situações e ações que devem mais ser feitas que lidas. E este espetáculo é a transformação de uma das maiores obras escritas de Gil Vicente, em acontecimento e ação, para que os estudantes da Farsa de Inês Pereira possam ver Inês com os seus próprios olhos, aos seus pretendentes e a todas as personagens que escrevem em tempo real esta comédia em toda a sua dimensão satírica.

Não vamos ler a obra com os alunos, vamos mostrá-la, dá-la a provar e depois digeri-la em conversa.

 

de GIL VICENTE

Encenação TIAGO JÁCOME

Interpretação CARLOS GONÇALVES, MAFALDA BANQUART e TIAGO JÁCOME

Figurinos, Cenografia e Adereços PAULA CABRAL

 

 

Informações e contactos

Local de apresentação: sala de aulas ou outra sala adequada horário a combinar mediante reserva

 

Preços e marcações: producao@ace-tb.com