Vanda Cerejo | A Menina é Má

Vanda Cerejo

curso de 2003

 

vanda.rosto

Vanda Cerejo (Porto, 1984) completou o curso de Interpretação da ACE Escola de Artes. Continuou a sua formação em Lisboa completando a Licenciatura de Teatro, Ramo Atores, da Escola Superior de Teatro e Cinema. A sua primeira criação é com Cristiana Castro, espetáculo Pobre Gente inserido no programa Try Better, Fail Better promovido pelo Teatro da Garagem. Com Sophie Pinto e Filipa Leão cria o Colectivo Sophiemarie, no qual têm desenvolvido um trabalho experimental ao longo dos últimos anos. Participou em performances de Miguel Bonneville. Em 2014 fez parte do elenco do espetáculo R&J//Romeu e Julieta, inserido na programação do festival Temps d’Images, encenado por Joana Linda. Frequentou diversos workshops relacionados com dança, teatro e performance, nomeadamente com Teatro Praga, Teatro do Vestido, Jurij Alschitz e Christine Schmalor, Iñaki Azpillaga, La Ribot, João Rodrigo Matos, Vera Mantero, Paula Águas e Margarida Mestre. Frequenta atualmente o Curso de Gestão e Produção das Artes do Espetáculo do Fórum Dança.

 

A Menina é Má

Teatro

6 e 7 de maio, no Salão nobre

sexta às 21:30; sábado às 23:00

 

 

A Menina é Má reencontra, a partir de um excerto da obra Os Meus Sentimentos, de Dulce Maria Cardoso, a figura do anti­herói no feminino. Neste monólogo, a protagonista desdobra-se e recria a seu belo prazer um universo próprio, amargo e quotidiano, mas pautado por muito sentido de humor. Intimista e envolvente, adaptável e móvel, A Menina é Má vai ao encontro da linha performativa desenvolvida pelo Colectivo Sophiemarie.

Conceção e Criação SOPHIE PINTO e VANDA CEREJO

Apoio à Criação FILIPA LEÃO e TIAGO BÔTO

Interpretação VANDA CEREJO

Desenho de luz GONÇALO ALEGRIA

Uma produção do COLECTIVO SOPHIEMARIE

 

Informações e Reservas

Maiores de 12

Duração: 60 minutos

 

Bilheteira>

Informações e reservas: bilheteira@ace-tb.com ou 222 089 007

O colectivo Sophiemarie

O Colectivo Sophiemarie é uma marca registada da Associação No Man´s Land, reunindo atrizes que sentiram a necessidade de um espaço de experimentação livre na área das artes cénicas e performativas. Fortes na convicção de que podem prescindir de uma direção artística com uma hierarquia vertical, as atrizes trabalham autonomamente e desenvolvendo parcerias com outras áreas.

Os objetivos do Colectivo Sophiemarie incluem: criar espaços laboratoriais no âmbito das artes performativas; questionar os processos artísticos, desenvolver uma linguagem própria no contexto do Teatro Português; fomentar parcerias com outras áreas privilegiando o cruzamento de linguagens; e almejar uma mobilidade artística num mundo global.

O Colectivo Sophiemarie trabalha presentemente, e desde a sua fundação, sem apoios nem subsídios institucionais.

We´ve always depended on the kindness of strangers.

Fotografias de Igor Allen